Lucrando e ganhando dinheiro com dólar fraco

Ganhar dinheiro lucrando com o dólar fraco, isso é possível? Todos já conhecem a história, entre 2003 e 2008, o valor do dólar caiu em comparação com a maioria das principais moedas estrangeiros por todo o mundo.

A depreciação do dólar se estendeu e acelerou durante os anos de 2007 e 2008, com isso impactou investimentos nacionais e internacionais.

Atualmente, em geral, o dólar está forte e bem acima da média dos últimos 10 anos. A força do dólar tem refletido uma economia nos Estados Unidos robusta, com baixos aumentos nas taxas de juros pelo Federal Reserve e pelas novas mudanças fiscais que estimularam as empresas a trazer de volta lucros do exterior.

Lucrando e ganhando dinheiro com dólar fraco

Mesmo com a pandemia criada pelo Covid-19 a moeda se manteve em pé. Hoje podemos perceber que o impacto da alta ou queda do dólar americano sobre os investimentos é multifacetado.

Mais notavelmente, os investidores precisam entender o efeito que os alertas de taxas de câmbio podem ter nas demonstrações financeiras, como isso se relaciona com o local onde os bens são vendidos e produzidos e o impacto da inflação das matérias-primas.

A confluência desses fatores pode ajudar os investidores a determinar onde e como alocar fundos de investimento.

O país de origem do dólar

Nos Estados Unidos, o Financial Accounting Standards Board (FASB) é o órgão regulador que determina como as empresas contabilizam as operações comerciais nas demonstrações financeiras. O FASB determinou que a moeda principal em que cada entidade conduz seus negócios é denominada “moeda funcional”.

No entanto, a moeda funcional (A moeda funcional é um conceito da contabilidade que dispõe que a entidade deve adotar, para fins contábeis, aquela moeda que melhor reflete seu ambiente econômico principal) pode ser diferente da moeda de relato (Moeda de relato é a moeda usada na apresentação das Demonstrações financeira). Nestes casos, os ajustes de conversão podem resultar em ganhos ou perdas, que geralmente são incluídos no cálculo do lucro líquido daquele período.

Quais são as implicações desses ajustes ao investir nos Estados Unidos em um ambiente de queda do dólar? Se você investir em uma empresa que realiza a maioria de seus negócios nos Estados Unidos e está domiciliada nos Estados Unidos, a moeda funcional e de relatório será o dólar norte-americano.

Se a empresa tiver uma subsidiária na Europa, sua moeda funcional será o Euro. Portanto, quando a empresa converte os resultados da subsidiária para a moeda de relatório (o dólar americano), a taxa de câmbio dólar/euro deve ser usada.

Por exemplo, em um ambiente de queda do dólar, um euro compra US$1,54 em comparação com uma taxa anterior de US$ 1,35.

Portanto, à medida que você traduz os resultados da subsidiária para o ambiente em queda do dólar, a empresa se beneficia desse ganho de conversão com maior lucro líquido.

Lucrando dólares com a geografia dos países

Compreender o tratamento contábil para subsidiárias estrangeiras é o primeiro passo para determinar como tirar proveito dos movimentos de moeda. A próxima etapa é capturar a arbitragem entre onde as mercadorias são vendidas e onde as mercadorias são feitas.

À medida que os Estados Unidos se transformam em uma economia de serviços e se distanciando de uma economia de manufatura, os países fornecedores de baixo custo capturaram esses dólares de manufatura.

Empresas americanas levaram isso a sério e começaram a terceirizar grande parte de sua fabricação e até mesmo alguns empregos de serviços para países fornecedores de baixo custo para explorar custos mais baratos e melhorar as margens.

Durante os tempos de fortalecimento do dólar americano, os países fornecedores de baixo custo produzem bens baratos; as empresas vendem esses bens a preços mais elevados aos consumidores no exterior para obter uma margem suficiente.

Isso funciona bem quando o dólar americano está forte; entretanto, à medida que o dólar norte-americano cai, manter os custos em dólares norte-americanos e receber receitas em moedas mais fortes – em outras palavras, tornar-se um exportador – é mais benéfico para uma empresa norte-americana.

Entre 2005 e 2008, as empresas norte-americanas aproveitaram a desvalorização do dólar norte-americano, uma vez que as exportações norte-americanas apresentaram forte crescimento, resultante da redução do déficit em conta corrente dos Estados Unidos para 2,744% do produto interno bruto (PIB) em 2009.

No entanto, muitos dos países fornecedores de baixo custo produzem bens que não são afetados pelos movimentos do dólar americano porque esses países atrelam  suas moedas ao dólar.

Em outras palavras, eles permitem que suas moedas flutuem paralelamente às flutuações do dólar americano, preservando a relação entre os dois. Independentemente dos bens serem produzidos nos Estados Unidos ou por um país que vincula sua moeda aos Estados Unidos, em um ambiente de queda do dólar, os custos diminuem.

Lucrando dólares com a geografia dos países

Dólar desce, dólar sobe e subiu para longe

O preço das commodities em relação ao valor do dólar e taxas de juros tende a seguir o seguinte ciclo:

As taxas de juros são reduzidas -> fundo dos índices de ouro e commodities -> pico dos títulos -> o dólar sobe -> pico das taxas de juros -> fundo das ações -> o ciclo se repete.

Às vezes, porém, esse ciclo não persiste e os preços das commodities não chegam ao fundo à medida que as taxas de juros caem e o dólar americano se deprecia.

Essa divergência desse ciclo ocorreu durante 2007 e 2008, quando a relação direta entre a fraqueza econômica e os fracos preços das commodities se inverteu. Durante os primeiros cinco meses de 2008, o preço do petróleo bruto subiu mais de 20%, o índice das commodities subiu cerca de 10%, o índice dos metais subiu quase 15%, o dólar desvalorizou cerca de 5% e os preços globais dos alimentos aumentaram acentuadamente.

De acordo com a pesquisa de Wall Street por Jens Nordvig e Jeffrey Currie da Goldman Sachs, a correlação entre a taxa de câmbio euro/dólar, que era de 1% de 1999 a 2004, subiu para impressionantes 52% durante o primeiro semestre de 2008. Embora as pessoas discordem sobre as razões para essa divergência, há poucas dúvidas de que aproveitar o relacionamento proporciona oportunidades de investimento.

Lucrando com a queda do dólar americano

Tirar proveito das movimentações cambiais no curto prazo pode ser tão simples quanto investir na moeda que você acredita que mostrará a maior força em relação ao dólar americano durante o período de investimento. Você pode investir diretamente em moeda, cestas de moedas ou em fundos negociados em bolsa (ETFs).

Para uma estratégia de longo prazo, investir nos índices do mercado de ações de países que você acredita que terão moedas em valorização ou investir em fundos soberanos , que são veículos por meio dos quais os governos negociam moedas, pode fornecer exposição para fortalecer as moedas.

Você também pode sair lucrando com a queda do dólar investindo em empresas estrangeiras ou norte-americanas que obtêm a maior parte de suas receitas de fora dos Estados Unidos (e com benefícios ainda maiores, aquelas com custos em dólares norte-americanos ou que estão vinculadas ao dólar norte-americano).

Como um investidor não americano, comprar ativos nos Estados Unidos, particularmente ativos tangíveis, como imóveis, é extremamente barato durante os períodos de queda do valor do dólar. Como as moedas estrangeiras podem comprar mais ativos do que o dólar americano comparável pode comprar nos Estados Unidos, os estrangeiros têm uma vantagem de poder de compra .

Finalmente, os investidores podem ganhar dinheiro e lucrar com o valor do dólar norte-americano baixo por meio da compra de commodities ou empresas que apóiam ou participam da exploração, produção ou transporte de commodities.

Leia também:

Depreciação do dólar americano

Prever a duração da depreciação do dólar americano é difícil porque muitos fatores colaboram para influenciar o valor da moeda.

Apesar disso, ter uma visão sobre a influência que as mudanças nos valores das moedas têm sobre os investimentos oferece oportunidades de benefícios tanto no curto quanto no longo prazo.

O investimento em exportadores dos EUA, ativos tangíveis (estrangeiros que compram bens ou commodities nos EUA) e a valorização das moedas ou dos mercados de ações fornecem a base para sair lucrando e ganhar dinheiro com o dólar dos EUA em baixa.

Leave A Comment