3 formas diferentes de medir o valor do dólar americano

Para onde vai o valor do dólar hoje? O valor cambial do dólar americano pode ser medido de três formas diferentes e nesse artigo vamos explorar cada uma delas: desde a taxas de câmbio, notas do Tesouro às reservas de câmbio estrangeiro.

Embora o método mais comum seja por meio das taxas de câmbio, a verdade é que você precisa estar familiarizado com todos os três para fazer suposições fundamentadas sobre o próximo destino do dólar hoje, especialmente se você é um Trader, investidor ou precisa de uma quantia muito grande de dólares para o próximo período.

como medir o valor do dólar americano

Taxas de câmbio para comparar o valor da moeda.

A taxa de câmbio do dólar compara seu valor com as moedas de outros países. Ele permite que você determine quanto de uma determinada moeda você pode trocar por um dólar. A medida de taxa de câmbio mais popular é o índice do dólar americano.

Essas taxas mudam todos os dias porque as moedas são negociadas no Forex – mercado de câmbio estrangeiro. O valor forex de uma moeda depende de vários fatores, incluindo:

  •  Taxas de juros do banco central.
  • Os níveis de dívida do país.
  • A força da economia.

Quando esses fatores são fortes, também o é o valor da moeda. A maioria dos países tem uma taxa de câmbio flexível e permite a negociação forex para determinar o valor de suas moedas.

O Federal Reserve tem muitas ferramentas monetárias que podem influenciar a força do dólar. Essas ferramentas permitem ao governo regular as taxas de câmbio, ainda que indiretamente.

A taxa do dólar dos EUA mostra o valor do dólar em comparação com outras moedas, incluindo a rupia indiana, o iene japonês, o dólar canadense e a libra esterlina.

Abaixo, você pode acompanhar o gráfico histórico do valor do dólar medido pelo euro desde 2002.
taxa de câmbio do dólar compara seu valor

Mudanças históricas no valor do dólar

Esta cronologia explica algumas das mudanças históricas no valor do dólar ao longo dos anos:

  • 2002-07: O dólar caiu 40% enquanto a dívida dos Estados Unidos cresceu 60%. Em 2002, o euro valia $ 0,87 contra US$ 1,46 em dezembro de 2007.
  • 2008: O dólar se fortaleceu no início da  crise financeira global , graças à sua posição como um “porto seguro” para muitos investidores, entre outros fatores. No final do ano, o euro valia US$ 1,35.
  • 2009: O dólar caiu 20% graças ao medo da dívida. Em dezembro, o euro valia US$ 1,46.
  • 2010: A crise da dívida grega prejudicou o euro e fortaleceu o dólar. No final do ano, o euro valia apenas US$ 1,32.
  • 2011: o valor do dólar em relação ao euro caiu 10%. Mais tarde, recuperou terreno. Em 30 de dezembro de 2011, o euro valia novamente US$ 1,32.
  • 2012: no final de 2012, o euro ainda pairava em torno de US$ 1,32.
  • 2013: O dólar perdeu valor em relação ao euro, pois parecia que a União Europeia estava, finalmente, resolvendo a crise da zona do euro. Em dezembro, valia US$ 1,37.
  • 2014: A taxa de câmbio euro-dólar caiu para US$ 1,23 graças à fuga dos investidores do euro.
  • 2015: A taxa de câmbio euro-dólar caiu para uma baixa de US$ 1,12 em março. Posteriormente, caiu para US$ 1,05 após os ataques de Paris em novembro, antes de encerrar o ano em US$ 1,08.
  • 2016: O taxa do euro subiu para US$ 1,13 em 11 de fevereiro, com o Dow Jones caindo em uma correção do mercado de ações. Caiu ainda mais para US$ 1,11 em 25 de junho, apenas dois dias depois que o Reino Unido votou pela saída da União Europeia. Os comerciantes acreditam que a incerteza em torno da votação enfraqueceria a economia europeia. Mais tarde, os mercados se acalmaram ao perceber que o Brexit  levaria anos. Isso permitiu que o euro subisse para US $ 1,12 em agosto. Não muito depois, o euro caiu para sua baixa de US$ 1,04 em 2016, em 20 de dezembro de 2016.
  • 2017: em maio, o euro subiu para US$ 1,10. Os investidores trocaram o dólar pelo euro em meio a alegações de conexões entre o governo do presidente Trump e a Rússia, além de preocupações sobre a capacidade do novo governo de cumprir sua agenda. No final do ano, o euro havia subido para US$ 1,18.
  • 2018: O euro continuou sua ascensão. Em 15 de fevereiro, era US$ 1,25. Em abril, o euro começou a enfraquecer depois que o presidente Trump iniciou uma guerra comercial. No final do ano, o euro era de US$ 1,14.
  • 2019: o euro caiu até setembro, quando atingiu US$ 1,10. Ele subiu brevemente em dezembro para US$ 1,11.
  • 2020: O euro se fortaleceu em relação ao dólar durante o primeiro ano da pandemia de COVID-19, atingindo US$ 1,22 em dezembro.

Notas do Tesouro dos Estados Unidos.

As taxas de câmbio são apenas um fator no valor do dólar, porém – o dólar também se move em sincronia com a demanda por notas do Tesouro. O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos vende notas por uma taxa de juros fixa e valor de face, os investidores fazem lances em um leilão do Tesouro por mais ou menos que o valor de face e, então, podem revendê-los em um mercado secundário.

Alta demanda significa que os investidores pagam mais do que o valor de face e aceitam um rendimento mais baixo, enquanto a baixa demanda significa que os investidores pagam menos do que o valor de face e recebem um rendimento mais alto. Um alto rendimento significa baixa demanda em dólares até que o rendimento seja alto o suficiente para acionar uma nova demanda em dólares.

Antes de abril de 2008, o rendimento da nota do Tesouro de 10 anos de referência permanecia na faixa de 3,34% a 3,91%. Isso indicava uma demanda de dólar estável como moeda mundial.

Aqui estão alguns dos eventos das notas do Tesouro ao longo da última década, mais que impactaram o valor do dólar:

  • 2008: O rendimento das notas do Tesouro de 10 anos caiu de 3,57% para 2,91% entre abril de 2008 e março de 2009, com a valorização do dólar. Lembre-se de que uma queda no rendimento significa uma demanda crescente por títulos do Tesouro e dólares.
  • 2009: O dólar caiu enquanto o rendimento subia de um mínimo de 2,23% para um máximo de 3,85% no final do ano.
  • 2010: De 1º de janeiro a 10 de outubro, o dólar se fortaleceu com o rendimento caindo de 3,85% para 2,41%. Em seguida, enfraqueceu devido aos temores de inflação da estratégia de flexibilização quantitativa do Fed.
  • 2011: O dólar enfraqueceu no início da primavera, mas se recuperou no final do ano. O rendimento das notas do Tesouro a 10 anos foi de 3,36% em janeiro. Subiu para 3,75% em fevereiro e despencou para 1,89% em 30 de dezembro.
  • 2012: O dólar se fortaleceu significativamente, pois o rendimento caiu em junho para 1,47%, uma baixa de 200 anos. O dólar enfraqueceu no final do ano, com o rendimento subindo para 1,78%.
  • 2013: O dólar enfraqueceu ligeiramente com o rendimento do Tesouro de 10 anos subindo de 1,86% em janeiro para 3,04% no final do ano.
  • 2014: O dólar se fortaleceu ao longo do ano, com o rendimento do Tesouro de 10 anos caindo de 3% em janeiro para 2,17% no final do ano.
  • 2015: O dólar se fortaleceu em janeiro, com o rendimento do Tesouro de 10 anos caindo de 2,12% em janeiro para 1,68% em fevereiro. O dólar enfraqueceu no restante do ano, com o rendimento subindo para 2,28% em maio e encerrando o ano em 2,27%.
  • 2016: O dólar se fortaleceu com a queda do rendimento para 1,37% em 8 de julho de 2016. O dólar se enfraqueceu com o aumento do rendimento para 2,45% no final do ano.
  • 2017: O dólar enfraqueceu quando o rendimento atingiu um pico de 2,62% em 13 de março, depois ficou mais forte quando o rendimento caiu para 2,05% em 7 de setembro. O rendimento subiu para 2,49% em 20 de dezembro, encerrando o ano em 2,4%.
  • 2018: O dólar continuou enfraquecendo. Em 15 de fevereiro, o rendimento da nota de 10 anos era de 2,9%. Os investidores estavam preocupados com a volta da inflação. O rendimento permaneceu nessa faixa, subindo para 3,09% em 16 de maio e caindo para 2,69% em dezembro.
  • 2019: O dólar enfraqueceu enquanto o rendimento de 10 anos atingiu o pico de 2,79% em 18 de janeiro. Mas em 22 de março de 2019, a curva de rendimento se inverteu. O rendimento de 10 anos caiu 2,44%, abaixo do rendimento de três meses de 2,46%. Isso significava que os investidores estavam mais preocupados com a economia dos EUA em três meses do que em 10 anos, um sinal de que estavam preocupados com a recessão. A curva de juros se recuperou e se inverteu novamente em maio. Em 12 de agosto, o rendimento de 10 anos atingiu o mínimo de 1,65% em três anos. Isso estava abaixo do rendimento da nota de um ano de 1,75%. Caiu para uma baixa de 1,47% em 4 de setembro. Embora o dólar estivesse se valorizando, isso foi devido a uma fuga para a segurança quando os investidores correram para o Tesouro. No final do ano, havia subido para 1,92%.
  • 2020: O dólar enfraqueceu e os títulos do Tesouro despencaram na primavera de 2020, começando o ano em 1,88% para o rendimento de 10 anos e caindo 0,62% no início de abril, quando a pandemia COVID-19 se estabeleceu. mergulho acentuado, indicando temores generalizados de recessão, mas os rendimentos de curto prazo foram os mais atingidos – sugerindo que os investidores sentiram que 2020 seria um ano particularmente difícil. Os rendimentos de um mês, dois meses e três meses caíram de pouco mais de 1,5% no início do ano para zero em 25 de março, antes de começar a recuperar algum valor no mês seguinte.

Reservas de moeda estrangeira.

O dólar é mantido por governos estrangeiros em suas reservas monetárias, que é o terceiro fator que afeta seu valor. Eles acabam acumulando dólares à medida que exportam mais do que importam e recebem dólares em pagamento. Muitos desses países acham que é do seu interesse manter os dólares porque isso mantém o valor de suas moedas mais baixo. Alguns dos maiores detentores de dólares americanos são o Japão e a China.

À medida que o dólar cai, o valor das reservas de outros países também diminui. Como resultado, eles estão menos dispostos a manter dólares em reserva. Eles se diversificam em outras moedas, como o euro, o iene ou mesmo o yuan chinês. Isso reduz a demanda pelo dólar, pressionando ainda mais o seu valor.

No terceiro trimestre de 2020, os governos estrangeiros detinham US$ 6,94 trilhões em reservas em dólares norte-americanos, o que representa 60% do total de reservas alocadas de US$ 12,25 trilhões. Caiu de uma altura de 66% mantida em 2015. É ainda menos do que os 63% mantidos em 2008.

Paralelamente, a percentagem de euros detida em reservas era de 20%. Isso é menos do que os 27% detidos em 2008. Os bancos detinham apenas 2% de suas reservas em renminbi chinês.

Como o valor do dólar afeta a economia dos EUA.

Quando o dólar se valoriza, torna os produtos feitos nos Estados Unidos mais caros e menos competitivos em comparação com os produzidos no exterior. Isso reduz as exportações dos EUA e retarda o crescimento econômico.

Também leva a preços mais baixos do petróleo, uma vez que o petróleo é negociado em dólares. Sempre que o dólar se fortalece, os países produtores de petróleo podem relaxar o preço do petróleo, porque as margens de lucro  em sua moeda local não são afetadas.

Por exemplo, o dólar vale 3,75 riais sauditas. Digamos que um barril de petróleo valha $ 100, o que faz com que valha 375 riais sauditas. Se o dólar se valoriza 20% em relação ao euro, o valor do rial, que é fixado em dólar, também subiu 20% em relação ao euro. Para comprar os doces franceses, os sauditas agora podem pagar menos do que antes do  dólar ficar mais forte . É por isso que os sauditas não precisaram limitar o fornecimento,  já que os preços do petróleo caíram para US$ 30 o barril em 2015.

O valor do dinheiro, em última análise, é igual à quantidade total de mercadorias que você pode comprar com seus fundos em um determinado momento. Quando os preços dos alimentos ou do gás aumentam, o valor do seu dinheiro diminui porque uma determinada quantia agora pode comprar menos do que antes.

O histórico do valor do dólar ao longo do tempo.

O valor do dólar também pode ser comparado ao que poderia ter sido comprado nos Estados Unidos no passado. O valor do dólar de hoje é muito menor do que no passado por causa da inflação.

A crescente dívida dos EUA pesa na mente dos investidores estrangeiros. No longo prazo, eles podem continuar – aos poucos – a abandonar os investimentos denominados em dólares.

Isso acontecerá em um ritmo lento para que eles não diminuam o valor de suas participações existentes. A melhor proteção para um investidor individual é uma carteira bem diversificada que inclui fundos mútuos estrangeiros .

Histórico do valor do dólar ao longo do tempo

Tendências do dólar 2002-2011: declínio do câmbio.

De 2002 a 2011, a previsão do dólar de cair foi acertada. Isso foi verdade com todas as três medidas por três razões principais que se desenvolveram umas às outras: aumento da dívida dos EUA, sequestro e diversificação mundial.

  • Crescente dívida dos EUA

Os investidores estavam preocupados com o crescimento da dívida dos EUA. Os detentores estrangeiros dessa dívida estão sempre preocupados com o fato de o Federal Reserve permitir que o valor do dólar diminua, de modo que os pagamentos da dívida dos Estados Unidos valeriam menos em sua própria moeda. O programa de flexibilização quantitativa do Fed monetizou a dívida, permitindo assim um fortalecimento artificial do dólar. Isso foi feito para manter as taxas de juros baixas. Assim que o programa terminou, os investidores ficaram preocupados com a possibilidade de o dólar enfraquecer.

  • Sequestro do dólar

A dívida pressionou o presidente e o Congresso para aumentar os impostos ou desacelerar os gastos. Isso levou ao sequestro que restringiu os gastos e amorteceu o crescimento econômico. Os investidores foram enviados em busca de retornos mais elevados em outros países.

  • Diversificação Mundial

A dívida crescente e o subsequente sequestro geraram preocupação entre os investidores estrangeiros de que o dólar não era tão confiável e, portanto, eles precisariam diversificar seus portfólios com ativos não denominados em dólares. Isso contribuiu para a pressão baixista sobre o dólar.

Tendências do dólar 2011-2016: fortalecimento.

Entre 2011 e 2016, o dólar se valorizou. Houve seis fatores que se combinaram para fazer o dólar ficar muito mais forte após anos de quedas:

  • Os investidores estão preocupados com a crise da dívida grega. Isso enfraqueceu a demanda pelo euro, a segunda opção mundial de moeda global.
  • A União Europeia lutou para impulsionar o crescimento econômico por meio de flexibilização quantitativa.
  • Em 2015, a reforma econômica desacelerou o crescimento da China. Isso empurrou os investidores de volta para o dólar americano.
  • O dólar é um paraíso durante qualquer crise global. Os investidores compraram títulos do Tesouro dos EUA para evitar riscos, à medida que o mundo se recuperava de maneira desigual da crise financeira e da recessão de 2008.
  • Apesar das reformas, tanto a China quanto o Japão continuaram comprando dólares para controlar o valor de suas moedas. Isso os ajudou a impulsionar as exportações, tornando-os mais baratos.

Tendências do dólar 2016-2020: flutuações do dólar.

Em meio as incertezas os últimos anos resultaram em alguma instabilidade no valor do dólar, à medida que a incerteza aumentou ao redor do globo com a eleição do presidente Trump em 2016 e a pandemia COVID-19 em 2020, que trouxe uma recessão.

Entre 2016 e 2020, o dólar começou a enfraquecer novamente à medida que os eventos globais acima mencionados que o sustentavam desapareceram no passado e as preocupações sobre o impacto da guerra comercial do governo Trump começaram a pesar sobre os investidores.

Em 2019 e em 2020, ele se fortaleceu à medida que os investidores buscavam segurança em meio a preocupações com uma recessão global iminente, mas finalmente afundou enquanto a economia lidava com os efeitos da pandemia.

 

Leave A Comment