O Euro, a história e quais países da UE utilizam a moeda

Quais os países que usam o Euro (€ – EUR) e por que nem todos os países da UE usam o euro como moeda base para o comércio interno e global? É isso que vamos entender!

O euro é a moeda base usada como forma de dinheiro para 19 países membros da zona do euro. A cotação do Euro hoje 24/11/2020 está em R$ 5,791 para cada € 1 euro.

No mundo, o euro é a segunda moeda mais usada na negociação do forex depois do dólar americano. É também a segunda reserva cambial mais utilizada pelos bancos centrais.

O Euro, a história e quais países da UE utilizam a moeda

No primeiro trimestre de 2019, os governos estrangeiros detinham cerca de US$ 2,2 trilhões em comparação com US$ 6,7 trilhões em reservas em dólar. O Fundo Monetário Internacional (FMI) informa trimestralmente esses índices em sua Tabela COFER.

Como o dólar, o euro hoje é administrado por um banco central, o Banco Central Europeu. Mas ser compartilhado por 19 países complica sua gestão. Cada país define sua própria política fiscal que afeta o valor do euro hoje.

O Euro ontem e hoje

O euro foi proposto inicialmente para unificar toda a União Europeia. Todos os 28 países membros se comprometeram a adotar o euro quando ingressarem na UE.

Mas eles devem cumprir o orçamento e outros critérios antes de poderem mudar para o euro. Estes foram estabelecidos pelo Tratado de Maastricht. Como resultado, nove membros da UE não adotaram o euro. Em 2018, eles eram Bulgária, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Hungria, Polônia, Romênia, Suécia e Reino Unido.

  • O símbolo do euro é .

Os euros são divididos em centavos de euro, cada centavo de euro é um centésimo de euro.

  • Existem sete denominações: € 5, € 10, € 20, € 50, € 100 e € 500.

Cada nota e moeda é de tamanho diferente. As notas também aumentaram a impressão, enquanto as moedas têm arestas distintas. Esses recursos permitem aos deficientes visuais distinguir uma denominação de outra.

As 10 melhores corretoras e casas de câmbio online

Países que usam o euro

Existem 23 países que usam o euro a partir de 2018.

A zona do euro é composta por 19 membros que são membros da UE e usam o euro.

Os países são:

Áustria, Bélgica, Chipre, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Portugal, Eslováquia, Eslovênia e Espanha.

Os países não pertencentes à UE são Andorra, Cidade do Vaticano, Mônaco e São Marinho.

Quatorze nações africanas vinculam sua moeda ao euro. São ex-colônias francesas que adotaram o franco CFA quando a França mudou para o euro. Eles são Benin, Burkina Faso, Camarões, República Centro-Africana, Chade, República do Congo, Costa do Marfim, Guiné Equatorial, Gabão, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal e Togo.

O Irã prefere euros para todas as transações no exterior, incluindo petróleo.

O Irã possui a quarta maior reserva de petróleo do mundo. Ele converteu todos os ativos denominados em dólares mantidos em países estrangeiros em euros.

Vantagens do Euro como moeda base

Os países recebem muitos benefícios pela adoção do euro. Os menores têm a vantagem de serem apoiados pelas economias da Europa, Alemanha e França. O euro permite que esses países mais fracos desfrutem de taxas de juros mais baixas.

Isso ocorre porque o euro não era tão arriscado para os investidores quanto uma moeda com menos demanda de usuários e comerciantes.

Ao longo dos anos, essas taxas de juros mais baixas levaram a mais investimentos estrangeiros. Isso impulsionou as economias das nações menores.

Alguns dizem que os países mais desenvolvidos colheram maiores recompensas do euro. Suas empresas maiores poderiam produzir mais a um custo menor, beneficiando assim de economias de escala.

Eles exportaram seus produtos baratos para os países menos desenvolvidos da zona do euro. Empresas menores não podiam competir.

Essas grandes empresas também lucraram com investimentos baratos nas economias menos desenvolvidas. Isso aumentou os preços e os salários nos países menores, mas não nos maiores.

As grandes empresas ganharam ainda mais vantagem competitiva. Em certo sentido, o euro lhes permitiu exportar a inflação que normalmente vem com a fase expansionista do ciclo de negócios.

Eles desfrutaram dos benefícios da alta demanda e produção sem pagar o preço mais alto.

A história do Euro ontem e hoje

Desvantagens do Euro como moeda base

Com todas essas vantagens, por que os oito membros restantes da UE não adotaram o euro? Alguns países relutam em abrir mão de alguma autoridade sobre suas políticas monetárias e fiscais quando ingressam na zona do euro.

A adoção do euro significa que os países também perdem a capacidade de imprimir sua moeda. Essa capacidade lhes permite controlar a inflação aumentando as taxas de juros ou limitando a oferta de moeda.

Eles devem manter seus déficits orçamentários anuais inferiores a 3% do seu produto interno bruto. A relação dívida-PIB tem de ser inferior a 60%.

Muitos simplesmente não conseguiram cortar gastos o suficiente para atender a esse critério.

Dólar Hoje

Conversão de Euro para Dólar

A conversão de euro para dólar americano é quantos dólares o euro pode comprar a qualquer momento.

A taxa de câmbio atual mede isso. Os comerciantes de moedas e no mercado de câmbio determinam a taxa de câmbio.

Eles mudam momento a momento, dependendo de como os traders avaliam o risco versus as recompensas pela manutenção da moeda.

Os traders baseiam sua avaliação em vários fatores. Isso inclui taxas de juros do banco central, níveis de dívida soberana e a força da economia do país. O site do ECB fornece a taxa de câmbio atual para o euro.

Quando o euro foi lançado em 2002, valia 0,87 dólares.

Seu valor cresceu à medida que mais pessoas o usavam ao longo dos anos. Atingiu seu recorde de US$ 1,60 em 22 de abril de 2008. Os investidores fugiram de investimentos em dólares durante a quase falência do banco de investimentos Bear Stearns.

Como ficou aparente que a crise das hipotecas subprime nos EUA se espalhou globalmente, os investidores fugiram para a relativa segurança do dólar. Em junho de 2010, o euro valia apenas US$ 1,20. Seu valor subiu para US$ 1,45 durante a crise da dívida americana no verão de 2011.

Em dezembro de 2016, havia caído para US $ 1,03, com os traders preocupados com as consequências do Brexit.

Recuperou-se para US$ 1,20 em setembro de 2017, depois que os traders ficaram frustrados com a falta de progresso nas políticas econômicas do presidente Trump. Agora, é de US$ 1,11 a partir de agosto de 2019. Os comerciantes estão preocupados com uma desaceleração econômica global devido à guerra comercial de Trump.

Impacto da crise na zona do euro

Em 2009, a Grécia anunciou que poderia deixar de pagar sua dívida. A UE garantiu aos investidores que garantiria a dívida de todos os membros da zona do euro.

Ao mesmo tempo, deseja que os países endividados adotem medidas de austeridade para reduzir seus gastos. A crise da dívida grega ameaçou se espalhar para Portugal, Itália, Irlanda e Espanha.

A economia européia se recuperou desde então. Mas alguns dizem que a crise da zona do euro ainda ameaça o futuro do euro e da própria UE.

História do Euro

A primeira fase do lançamento do euro ocorreu em 1999. Foi introduzida como moeda para pagamentos eletrônicos. Isso incluía cartões de crédito e débito, empréstimos e para fins contábeis.

Durante esta fase inicial, moedas antigas foram usadas apenas para dinheiro. Onze nações o adotaram imediatamente. Eles eram Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal e Espanha.

A segunda fase foi lançada em 2002, quando as moedas e notas de euro apareceram em forma física.

Cada país tem sua própria forma distinta da moeda do euro.

O Euro na União Europeia e no mundo

Depois do dólar americano, o euro é a segunda moeda mais negociada no mundo. É a moeda de 19 países da União Europeia. É gerido pelo BCE. O euro foi criado para facilitar e integrar a economia europeia.

A partir de 2019, vinte e cinco países e cinco territórios negociam com o euro. Alguns deles usam o euro, mesmo que não façam parte da UE. Mas outros países europeus, como o Reino Unido e a Dinamarca, usam sua própria moeda.

Eles optaram por definir suas próprias taxas de juros e políticas monetárias e manter a independência de suas próprias economias. Mas em uma crise financeira, eles devem gerenciar seus próprios sem a assistência do ECB.

Leave A Comment